Solenidade da Santíssima Trindade: Criados, salvos e santificados pelo amor, no amor e para o amor

Compartilhe:

“…estamos em paz com Deus, pela mediação do Senhor nosso, Jesus Cristo. […] porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rm. 5,1;5)

Após celebrarmos tempo pascal, recordando a paixão, morte e ressurreição do Senhor, que se ofereceu na cruz ao Pai e concluirmos este tempo santo com a celebração do dom do Espírito em Pentecostes, neste Domingo a Igreja nos convida a proclamar jubilosos a glória da Santíssima Trindade, o Deus uno e trino que nos criou, salvou e santificou por amor! Esta Solenidade, longe ser uma convocação acadêmica/intelectual para decifrar o mistério de “um Deus em três pessoas”, se trata de um convite para contemplar o Deus que é amor, família, comunidade e que criou a humanidade para viver na comunhão do seu mistério de amor.

Na primeira leitura (Pr 8,22-31) somos convidados a contemplar a ação criadora de Deus. O texto narrado nos conduz a lembrar o livro do Gênesis (Gn. 1, 1-31;2,1-4). A sabedoria é apresentada com uma “pessoa” que estava ao lado de Deus desde a eternidade e que colaborou na sua ação de criar o universo. Ao meditar esta passagem, as primeiras comunidades cristãs enxergaram nesta descrição personificada da sabedoria o protótipo/expressão da pessoa de Jesus Cristo ou do Espírito Santo, pois os atributos descritos, indicam que ela – a sabedoria – tem a capacidade de levar os seres humanos a voltar a se relacionar com Deus (ação realizada em plenitude por Jesus Cristo). A sua bondade e o seu amor estão inscritos e manifestam-se aos homens na beleza e na harmonia das obras criadas (Jesus Cristo é “sabedoria” de Deus e o grande revelador do amor do Pai).

A segunda leitura (Rm. 5,1-5) confirmando a mesma mensagem, mostra que Jesus Cristo nos revelou o Deus próximo e acessível, que age diante dos dramas humanos. Um Deus que acompanha com compaixão a nossa caminhada e jamais desiste de oferecer vida plena em abundância dando-nos a justificação. A palavra “Abba” que foi tão usada por Jesus na cruz (palavra usada pelas crianças ao se dirigem ao pai e que se traduz como “papá”) é expressão de intimidade filial e deve definir nossa relação com Deus marcada pelo amor, pela docilidade, pela confiança, pela ternura. Paulo então nos lembra que somos homens ressuscitados para a vida nova, convidados a viver do Espírito, como filhos de Deus e co-herdeiros com Cristo. Cabe-nos como filhos e herdeiros, viver a altura desta dignidade imitando a mesma comunhão trinitária que Jesus revelou.

No Evangelho (Jo. 16, 12-15), em suas palavras de despedida, Jesus nos convida a compreender a salvação como expressão da comunhão da Trindade: o amor do Pai, que se manifesta em plenitude na encarnação, doação e na entrega do Filho e que continua a acompanhar a humanidade historicamente através do Espírito Santo.

 Para Jesus ser seu discípulo é tornar-se membro da comunidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Por isto, discípulos de Jesus recebem a missão de testemunhar o Reino dos Céus e são enviados a apresentar – a todos os povos, línguas e nações, sem exceção – o convite de Deus para integrar a família/comunidade trinitária. É esta a fé na qual fomos batizados e introduzidos na vida desse Deus uno e trino. O amor eterno vivido entre o Pai, o Filho e o Espírito, é o amor que devemos viver entre nós! A Trindade não é uma teoria acadêmica. Ela é uma realidade concreta que deve invadir e impregnar a nossa vida e a vida e missão da Igreja.

A comunhão e a sociabilidade da Trindade é um grande exemplo para nossa sociedade que vive tão imersa em “amizades virtuais”, mas se esconde e foge de toda e qualquer possibilidade de convívio e compromisso familiar e fraterno. Uma Família/Comunidade que não se reúne e não respeita a diversidade de dons, carismas e ministérios, não é uma comunidade que vive a comunhão da Trindade e que caminha para a Trindade.

A vida da Santíssima Trindade é dinâmica, pois vive em permanente movimento de amor; de dar amor e receber amor. Deste modo a vida dos cristãos não pode nem deve ser uma realidade estática, nem simples observação mecânica dos mandamentos e normas doutrinárias. Deve ser também movimento de amor, para acolher e se doar aos outros. Professar a fé na Trindade é acreditar que a Cruz – caminho da nossa salvação – é feita de duas forças: do ato amar a Deus e amar ao próximo. A haste vertical na terra e apontando para o céu, é o amor e o serviço a Deus. A trave horizontal, é o amor e o serviço ao próximo. Em suma, não há como confessar e professar o amor ao Deus Trino sem confessar, professar e viver o amor ao próximo.

Que a comunhão eterna vivida pela Santíssima Trindade nos ensine o verdadeiro objetivo de nossa fé e missão: testemunhar que somos uma comunidade que nasceu do amor, vive de amor e caminha nesta terra para alcançar a plenitude do amor de Deus. Assim “a Graça do Senhor Jesus Cristo, o Amor de Deus Pai e a Comunhão do Espírito Santo estarão sempre conosco!”

Pe. Paulo Sérgio Silva

Paróquia Nossa Senhora da Conceição – Farias Brito

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts