Solenidade da Ascensão do Senhor: “Foi elevado ao Céu e sentou-Se à direita de Deus”

Compartilhe:

HOMILIA DO 7º DOMINGO DA PÁSCOA – ANO B

SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR

Foi elevado ao Céu e sentou-Se à direita de Deus.”

Ao longo de sete semanas acompanhamos Jesus Cristo ressuscitado preparando os discípulos para dar continuidade à missão, após o retorno d’Ele ao seio da Trindade. A Solenidade deste dia afirma que no final de uma vida vivida no amor e na doação está a comunhão plena com Deus. Jesus Cristo nos deixou esse testemunho e nós, seus discípulos missionários, devemos dar continuidade à realização do plano libertador e salvador para toda a criação.

Na Primeira Leitura (At 1,1-11), transcorridos quarenta dias da Ressurreição, o autor do livro Atos dos Apóstolos narra, em tom de despedida, os acontecimentos da missão salvífica do Senhor Jesus Cristo. Ao mesmo tempo, é anunciada a vinda do Espírito Santo que fortalecerá os discípulos a fim de que eles realizem o testemunho “até aos confins do mundo”. Assim, são convidados a fugir do comodismo — de ficar olhando o céu a espera do retorno de Jesus — e continuar o anúncio do Reino de Deus.

Na Segunda Leitura (Ef 1,17-23), São Paulo realiza uma oração de ação de graças para expressar a indissolúvel união entre Cristo e a Igreja. Convida, então, os discípulos a serem conscientes da esperança a que foram chamados. Os cristãos devem caminhar de mãos dadas rumo ao Reino, como membros do mesmo corpo, mantendo a comunhão com Cristo, “cabeça” desse “corpo”. Residindo nesse “corpo” — que é a Igreja — é nela que Ele se torna hoje presente.

No Evangelho (Mc 16,15-20), quarenta dias após a Ressurreição, Jesus aparece aos discípulos, exorta-os a vencer a desilusão, o comodismo e o medo, e envia-os em missão como testemunhas da salvação de Deus que se faz presente no mundo através das ações dos discípulos de Jesus. O Mestre anuncia que eles vencerão a injustiça e a opressão, pois “expulsarão os demônios em meu nome”, serão anunciadores da paz e da sabedoria, visto que “falarão novas línguas”, levarão a esperança e a vida plena a todos os que sofrem vítimas da doença e do sofrimento, porque quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados. Essas coisas confirmarão que em todos os momentos Jesus permanecerá com eles, ajudando-os a vencer as perseguições.

Essa solenidade é motivo de inenarrável alegria para nós. Cristo, ascendendo ao céu, leva consigo nossa humanidade, pois Aquele que hoje se sentou à direita do Pai é o Filho eterno feito homem. Ele é um de nós. Verdadeiramente, hoje, a nossa humanidade foi colocada acima dos Anjos. O Verbo divino, que foi reclinado no presépio, na cruz e no sepulcro, hoje, como homem, foi colocado acima dos anjos, à Direita do próprio Pai. Alegremo-nos e exultemos, porque onde já está o Cristo, nossa Cabeça, estaremos um dia todos nós, membros do seu Corpo. Eis a nossa mais profunda esperança: temos um Irmão nosso à Direita do Pai, intercedendo por nós.

Na certeza de que o nosso caminho nos conduz a anunciar o Evangelho, para que todos nós possamos estar um dia onde Jesus Cristo já se encontra, permaneçamos atentos à nossa missão, à missão da Igreja. Perseveremos. Experimentemos, anunciemos e testemunhemos a presença do Senhor na sua Palavra, na sua Igreja, nos seus Sacramentos e na sua Comunidade reunida até o dia em que seremos plenamente unidos e reunidos com a Santíssima Trindade em sua glória.

Padre Paulo Sérgio Silva

Paróquia Nossa Senhora da Conceição – Farias Brito

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts