Semana da Solidariedade: Dom Gilberto visita família venezuelana, em Crato

Compartilhe:

Olhar, refletir, agir, rezar e estar com os pobres. Esses são os imperativos que devem mover a Igreja, em todo o mundo, segundo o Papa Francisco, na celebração da Semana da Solidariedade e IV Jornada Mundial dos Pobres, de 8 a 15 de novembro, a partir do questionamento: “Como podemos contribuir para eliminar ou pelo menos aliviar a sua marginalização e o seu sofrimento?”.

Na intenção de responder a essa preocupação do Santo Padre, a Cáritas Diocesana de Crato, em parceria com o Serviço Pastoral dos Migrantes do Nordeste (SPM NE), convidou o bispo Dom Gilberto Pastana para visitar uma família de migrantes venezuelanos, na manhã desta terça-feira, dia 10 de novembro. A visita é parte de uma série de encontros, com famílias e comunidades, feitos segundo os protocolos de biossegurança.

“A nossa intenção é manifestar esse gesto de solidariedade, por estar acolhendo, promovendo e integrando a família, na busca por direitos e vida digna, para que ela se sinta presente em nossa diocese”, disse a agente Cáritas, Solange Santana.

O casal Darlin e Felix Diaz Villaroel chegou ao Brasil há três anos, com as filhas Cesarlyn (8) e Darcelys (6). Instalou-se primeiro no Estado de Roraima, onde nasceu a pequena Feily (1). Ao Cariri, chegou recentemente, em setembro passado. Darlin é engenheira mecânica e Felix é artista plástico. Ele estava no terceiro período da Faculdade de Arquitetura quando precisou deixar a terra natal em busca de condições mais seguras de vida e de trabalho. Segundo dados da Fundação das Nações Unidas para a Infância (Unicef), com o agravamento da crise econômica e social na Venezuela, mais de 178 mil solicitações de refúgio e de residência temporária, entre 2015 e maio de 2019, chegaram ao Brasil. O casal integra essa estatística.

“As condições em Roraima eram difíceis. Quando chegamos aqui [no Cariri], a vida deu uma volta muito grande”, disse Darlin, cujo português já é quase compreensível.

Dom Gilberto visitou, então, as instalações da pequena casa localizada no bairro Seminário, em Crato, acompanhado do Padre José Ricardo Barros, diretor da Cáritas, dos agentes Solange Santana, Manoel Leandro e Luzia Cléa. O bispo brincou com as crianças, conheceu alguns trabalhos artísticos feitos por Felix e deixou palavras de esperanças. A propósito desses trabalhos, a Cáritas, mobilizada, conseguiu parceria junto à Secretaria de Meio Ambiente. Com isso, Felix pintará as escadarias que dá acesso à Casa do Migrante, no bairro Sossego, na circunvizinhança. A Casa, aliás, foi inaugurada há exatamente um ano para receber transitoriamente famílias em situação de migração, como é o caso dos venezuelanos. Relembre acessando: https://diocesedecrato.org/casa-do-migrante-e-inaugurada-na-diocese-de-crato/

Para saber mais:

No dia 20 de novembro de 2016, na conclusão do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, o papa Francisco instituiu o Dia Mundial dos Pobres, para mobilizar os cristãos e as pessoas de boa vontade contra a cultura do descarte e do desperdício, na promoção do que chama “cultura do encontro” e todas as formas de solidariedade, como sinal concreto de fraternidade”.

No Brasil, a CNBB confiou à Cáritas Brasileira a animação e a mobilização do Dia Mundial dos Pobres. A entidade, nesse período, já realizava a Semana da Solidariedade – para pensar e agir por um país justo, fraterno, igualitário, solidário e amoroso, por ocasião de seu aniversário de fundação, 12 de novembro de 1956. Com isso, a Igreja do Brasil assume a Jornada Mundial dos Pobres. Leia mais aqui.

Por: Patrícia Mirelly/Assessoria de Comunicação

Posts Relacionados

Facebook

Instagram

Últimos Posts