Vigília Pascal: “A permanência do amor em Cristo nos compromete por toda a vida”

Mãe de todas as vigílias. É assim que a Igreja considera – e celebra – a Vigília Pascal do Sábado Santo ou Sábado de Aleluia, como é conhecido na piedade popular. Este dia conclui o Tríduo, marcando a espera do Jesus Ressuscitado.

Em comunhão com todas as Igrejas do mundo, a Sé Catedral de Nossa Senhora da Penha, em Crato, aguardou, vigilante, a hora certa da “Boa Notícia”, neste sábado, dia 20 de abril. As lâmpadas todas apagadas e a mesa do altar sem flores, toalhas ou castiçais, apenas com um véu preto, no altar mor, cobrindo as imagens dos santos, ajudou a vivenciar o clima de recolhimento, proposto pela liturgia.

Tendo à frente o bispo Dom Gilberto Pastana, acompanhado do Padre José Vicente, cura da Sé Catedral, e dos diáconos permanentes e transitório, a celebração foi iniciada após a bênção do fogo e o acender do Círio Pascal, por volta das 22h. Depois, o corpo litúrgico e os fiéis, com velas acesas, seguiram, em procissão, até o altar da Sé.

Liturgia da Luz e canto do Exsultet

A “mãe de todas as vigílias” é composta por cinco elementos: bênção do fogo novo e do círio pascal; proclamação da Páscoa, canto de alegria, anunciando a Ressurreição do Senhor; a liturgia da Palavra, que é uma série de leituras sobre a história da Salvação; o batismo de algum jovem catecúmeno, a renovação das promessas do Batismo e, por fim, a liturgia Eucarística.

Na Igreja Catedral, um dos momentos mais marcantes na celebração aconteceu quando o coral entoou o Hino do Glória, ao mesmo tempo em que as luzes foram acesas, o véu preto (colocado no altar) foi descoberto e a imagem do Cristo Ressuscitado, aos  poucos, apareceu à assembleia.

Homilia:

Durante a homilia, Dom Gilberto guiou o coração dos fiéis às mensagens proclamadas nas sete leituras, que apontam para o mistério celebrado: da criação do mundo à Páscoa de Jesus, indicando “os modo de agir de Deus”. E os anjos que anunciam às mulheres que Cristo vive – refletiu o bispo –  dão o anúncio pascal: “Não está aqui, ressuscitou”. As mulheres não sabiam interpretar o fato, mas tornaram-se, imediatamente, testemunhas.

Ainda segundo o pastor diocesano, trazendo o mistério da Ressurreição de Cristo para o tempo presente, o ponto de partida da atualização é que o batizado, como fala São Paulo, na carta aos romanos, é cada um dos cristãos. “A vigília é uma ocasião, particularmente profunda, para renovarmos as promessas do batismo e participarmos da eucaristia, rezando para que as festas pascais acendam, em nós, o desejo do seu, o desejo dos bens celestes. A mensagem do Exsultet e o canto do aleluia, portanto, são as primícias da nossa fé”, concluiu.

Redação: Patrícia Mirelly
Fotos: Patrícia Mirelly

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Redes Sociais

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!