Dom Pastana acolhendo os participantes. (Foto: Patrícia Silva)

Diocese de Crato discute como ajudar pessoas em situação de migração e refúgio

Na manhã deste sábado, dia 29 de setembro, a diocese de Crato realizou o Encontro Diocesano sobre Migração e Refúgio, no Salão da Sé Catedral, em Crato, organizado pela Cáritas Diocesana. A discussão, que girou em torno de como contribuir com as pessoas nessa situação, em especial os venezuelanos que estão em Roraima, contou com a presença de dom Gilberto Pastana, padres, diáconos, religiosas, leigos da Igreja e representantes de movimentos sociais.

O objetivo, além de socializar a experiência missionária da Pastoral do Migrante junto a essas pessoas, foi sensibilizar os participantes para essa realidade, planejando ações que contribuam com a Igreja presente em Roraima. “Enquanto o mundo constrói fronteiras nós podemos construir pontes de encontro, cultura, saber e conhecimento para esses migrantes terem uma oportunidade melhor de vida. A diocese de Crato já tem uma história de compromisso com o povo, com os pobres e sabemos que ela somará conosco na missão de sermos uma presença de acolhida a esses migrantes, como pede o Papa Francisco”, disse a irmã Idalina Pellegrini, coordenadora da Pastoral do Migrante na CNBB Regional NE 1.

À esquerda o professor Janailton Coutinho e à direita irmã Idalina Pellegrini. (Foto: Patrícia Silva)

Dom Pastana recordou bem a história mencionada pela religiosa. “O cearense vive a realidade da migração e do acolhimento. O padre Cícero acolheu muitos migrantes e favoreceu a experiência comunitária, como o Caldeirão do Beato José Lourenço e tantas outras experiências de migrantes que vieram de vários Estados e aqui sobreviveram com a acolhida do padre Cícero. Em nossa história temos essa raiz de acolhimento, mas também nós temos a história da saída. Na Amazônia uma boa parte da população era formada por cearenses que saíram daqui por causa da seca e foram acolhidos no Norte. É bom a gente recordar esses acontecimentos. Como cearense nós temos essas duas experiências: a de que acolhe através do padre Cícero e daqueles que saem daqui por uma ameaça que extrapola nossa vontade”, falou o bispo incentivando todos a contribuírem com o que estava sendo planejado para a atuação da diocese na realidade discutida.

O professor da Universidade Federal do Cariri, Janailton Coutinho, também contribuiu com o momento formativo apresentando o contexto de migração e refúgio na atualidade, em especial em Pacaraima- Roraima onde, segundo o Exército, cerca de 500 refugiados entram por dia, devido a crise humanitária na República Bolivariana da Venezuela.

Após este momento os participantes foram divididos em quatro grupos onde discutiram o que poderia ser feito de concreto. Na plenária, todos eles citaram a sugestão da realização de uma campanha de arrecadação de alimentos, vestuários e material de higiene, como também a criação de um Comitê que pense a acolhida de refugiados na região e a realização da Campanha “Compartilhe a Viagem”, que traz relatos de pessoas em situação de migração ou refúgio.

Membros do Comitê. (Foto: Patrícia Silva)

O Comitê foi formado e já tem a primeira reunião agendada: será dia 9 de outubro, às 9h, na cúria diocesana, localizada em Crato. Neste dia serão feitos os encaminhamentos para realização das ações apresentadas.

 

Por: Jornalista Patrícia Silva (MTE 3815/CE)

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

Redes Sociais

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!